Sunday, May 27, 2007

Pátria Desabensonhada

Maputo tem coisas muito giras! Uma dessas coisas é o teatro. As peças do grupo gungu no madjedje são por norma comédias de critica social (digo isto do alto da minha tremenda experiência e sapiência... fui la duas vezes!). Boas peças, casa cheia (os bilhetes são baratíssimos), muito à vontade dos actores e do publico são alguns dos ingredientes que se juntam para formular o sucesso.

Desta vez foi melhor ainda pois o amigo Abuchamo (conhecido na praça por buch!) que saiu durante a ano passado do anonimato para os anúncios da Mcel, resolveu não ficar pela publicidade, investir numas aulas de teatro e o resultado foi a sua estreia na peça Pátria Desabensonhada!

Desabensonhada é uma palavra tipicamente moçambicana. Cocktail de: Conseguir sonhar -> não conseguir sonhar -> desconseguir sonhar -> desconsonhar; e de: abençoada -> não abençoada -> desabençoada... sheik sheik mistura -> desabensonhada!

Tipicamente moçambicana é também a peça: divertida, mexida, ... e... dramática.

Depois de uma sucessão de peripécias “normais” há um ultimo sketch (não faço ideia se se pode usar o termo sketch em teatro... provavelmente não...) sobre a tragédia da explosão paiol. Esse sketch é extremamente triste. No fim da tragédia há indignação, raiva, vontade de responsabilizar, etc. e depois... numa rápida sucessão de passos - que incluem um cromo do governo a aparecer a dizer que vai haver indemnizações mensais de 850 meticais (25 euros) para as famílias das vitimas, de repente ja estão todos a rir e a dançar. E os Moçambicanos como dançam!

Foi muito estranho... a peça falou directamente de uma tragédia real, que assolou esta cidade há menos de 2 meses. Todos perderam alguém ou conhecem alguém que perdeu alguém. Todos viram e quase todos sofreram avultados prejuízos. Como é possível passados 2 minutos estarem todos a rir e a dançar?

Bem sei que é assim mesmo, todos reconhecemos ao povo africano a estóica capacidade de viver com alegria, de superar adversidades, etc. Afinal, tristezas não pagam dividas!

Mas não levará esta atitude a alguma desresponsabilização? Não levará esta atitude a algum facilitismo? Se calhar se houvesse um pouco mais de pressão e de responsabilização, o paiol não tivesse ardido duas vezes e 100 vidas tivessem sido poupadas... (afinal o paiol já tinha claramente avisado – uns meses antes - que estava prestes a explodir).

Se calhar se houvesse mais responsabilização cada vez que há acidentes com transportes públicos, hoje já não teríamos chapas sobre-lotados a andar a 140 nas estradas nacionais com borracha de câmara de ar a apertar as ponteiras da direcção para atenuar as folgas e pastilhas de travão coladas no meio do pó debaixo de cajueiros...

Se calhar...

Se calhar...

Fiquei baralhado confesso... o Buch diz que um dia me há de explicar o fim da peça... Aguardo!

6 comments:

Tiago Braz said...

Aquele teatro maravilha...

mulato said...

:-)

esse mesmo!
nunca acendem as luzes, para não se ver o estado da coisa... lindo!

Mª José said...
This comment has been removed by the author.
Selma said...

Fiquei curiosa para saber o que dizia o comentário que foi apagado pelo autor :)

GUNGU, grande companhia e teatro para rir, chorar e ir para casa pensar...

mulato said...

foi uma autora... sei o nick, mas mais nada. o perfil não é publico.

consegui ver o comentário. não era nada de muito controverso! por respeito à decisão de o apagar - naturalmente - não o vou escrever aqui.

;-)

PrimaNocte said...

Dei uma vista de olhos e achei o blog muito bom.

Estou em Moçambique á 3 meses...

E revejo quase todas a situaçoes descritas.